Posts

Obras, Cursos e Ações. O dia-a-dia da Biohabitate

Sejam bem vindos em nossa casa virtual, um lugar para contar mais de nossa história, missão e ações já realizadas. Além disso um canal de diálogo com nossos amigos, clientes, colaboradores e parceiros.

Aproveite para visitar nosso portfólio atualizado. Visite também os álbuns de nosso facebook, lá temos muitas postagens e mais fotos para você ficar por dentro de nosso dia-a-dia.

Portfólios:

Facebook – https://www.facebook.com/biohabitate/photos/?tab=albums
slide237

FENG SHUI SEM MISTÉRIOS

17_fengshuiO Feng-Shui é uma das ciências milenares contidas nos conhecimentos da Tradicional Medicina Chinesa, que tem como foco a “harmonização” dos espaços construídos e naturais. Para entendermos o sentido correto que a expressão harmonizar tem na prática do Tradicional Feng-Shui Chinês devemos retomar as origens desse termo no Oriente.

Na cultura oriental harmonia pode ser entendida como o equilíbrio dos fluxos naturais opostos (teoria das polaridades ou Yin-Yang) ou como a expressão da essência do funcionamento e ciclos da natureza, incluindo a personalidade humana, as disposições das paisagens naturais e dos ambientes construídos.

Podemos traduzir literalmente a expressão Feng-Shui como Vento e Água. Esses dois elementos representam a interação, o caminho e o movimento da energia vital nos ambientes a serem estudados. Sendo o que o vento transporta e a água armazena a energia vital.

Os Chineses entendiam que todos os três planos do universo COSMICO, HUMANO e TERRESTRE eram banhados por uma força vital ou sopro da criação que eles denominavam de “Chi”.

De acordo com Lao Tse, antigo sábio chinês, Chi é “Algo que é misterioso e informe, existe antes de haver céu e terra. Silencioso, quieto e vazio, pleno em si mesmo, imutável. Circulando eternamente através dos espaços e tempo, incansável. É a mãe da miríade de coisas do Universo.”

Para que nossa Casa ou nosso ambiente de trabalho sejam funcionais e regeneradores, é imprescindível que o Chi esteja “banhando” ou permeando todos os ambientes da casa, sem estar estagnado e nem muito disperso. Assim devemos avaliar o caminho e a disposição do Chi nos cômodos para despertar em cada lugar a sua vocação natural para abrigar determinada função e ser humano.

Para isso é feita uma pesquisa cuidadosa de avaliação dos fatores humanos, cósmicos e terrestres para determinação de ações e intervenções a serem feitas, tanto para projetar, como também para reformar e habitar determinado espaço.

Existem diversas escolas e metodologias para se fazer um estudo de Feng-Shui. A escola Americana ou do Chapéu Negro, a mais difundida no Ocidente, considera a inserção simbólica de elementos em oito setores da casa: Conhecimento, Família, Prosperidade, Sucesso, Relacionamentos, Criatividade, Benfeitores e Profissão.

Infelizmente o estudo e a divulgação superficial dessa Escola acabaram gerando uma generalização e modismo de “falsas milagrosas curas”, que foge totalmente do princípio da prática do Feng-Shui Tradicional.

Todas as Escolas chinesas de Feng-Shui Tradicional utilizam como ponto de partida o Método da Forma e o Método da Bússola. Esses dois métodos consideram na avaliação de um ambiente, o seu posicionamento em relação à configuração da paisagem do entorno, a disposição e configuração interna da paisagem, com o mobiliário e peças de decoração, além da direção magnética dos ambientes estudados em relação aos pontos cardinais.

ESCOLA DA FORMA

De acordo com a Escola da Forma devemos organizar os ambientes levando sempre em consideração o conceito chinês de lugar ideal. O lugar ideal é aquele mais favorável para implantação de uma moradia. O princípio básico do lugar ideal é estar protegido pelas costas do vento forte e ter em sua frente uma conformação semicircular (ou em ferradura), onde é possível a visão segura do horizonte e a acomodação e acumulo natural da suave brisa que traz em seus ventos calmos o Chi necessário a manifestação da vida.

Podemos tomar as regra básica do lugar ideal, para organização de toda mobília e decoração de nossas casas. Com mudanças rápidas podemos, por exemplo, deslocar um sofá para termos na sala de estar um local, não muito tumultuado, com o caminho de chegada livre, assentos de frente um do outro, e os fundos protegido por uma parede “cega”, sem janelas, vazios ou aberturas. Com essa disposição teremos um ambiente que acolhe bem as visitas e possibilita a confraternização.

No quarto de dormir também podemos dispor a mobília de acordo com os princípios do lugar ideal. Esse cômodo é o mais importante de uma casa, é o local em que passamos mais tempo em nossas vidas além de ser o local onde as células de nosso corpo se regeneram com o bom sono.

A cama deve estar estrategicamente colocada, com a cabeceira protegida por uma parede sem aberturas ou janelas e, além disso, da cama deve ser possível ter o resguardo total da privacidade e o controle da visão de quem chega ao quarto. Em geral, a parede oposta que não fique de frente para a porta de entrada é a mais indicada para a posição da cabeceira da cama (lembrando que existem vários outros variantes e informações, devemos sempre estudar cada ambiente para sugerir a melhor disposição dos moveis e peças de decoração).

ESCOLA DA BÚSSOLA – BA ZHAI

Aliado ao estudo da Escola da Forma, a Escola da Bússola (Ba-Zhai) traz a informações relacionadas com a direção magnética do local estudado. De acordo com a sua posição em relação aos pontos cardeais, influências cósmicas especificas são identificadas em cada cômodo. Para isso o ambiente estudado é dividido em oito setores, ou Ba-Guá.

Em cada um dos oito setores se assenta uma influência, qualidade ou atributo especifico, favorável ou não de acordo com o fim desejado para o espaço ocupado. Cada atributo, benéfico ou não, pode ser representado diretamente por um dos cinco elementos: Madeira, Fogo, Terra, Metal, Água.
A teoria dos cinco elementos é usada para expressão essencial dos fenômenos, ciclos e fluxos naturais. Cada elemento ou “movimento” é entendido como uma representação codificada das fases cíclicas da natureza; tudo o que existe no universo tem origem na interação e combinação desses cinco elementos entre si. Cada elemento por sua vez é representado por cores e formas geométricas especificas. (ver quadro a seguir)

****** INSERIR TABELA *******

O ideal é que em todos os ambientes da casa procuremos a inserção equilibrada de todos os cinco elementos, uma vez que eles representam a expressão da essência dos acontecimentos, ciclos e fluxos naturais. Porém dependendo do uso do espaço e do atributo que influência o setor em que ele se encontra, devemos introduzir em destaque, ou em maioria, um dos cinco elementos, representado por uma cor ou forma geométrica indicadas acima.

Se a influência do atributo em um dos oito setores for desfavorável, deve-se introduzir nesse setor um dos cinco elementos que minimize essa influência e caso o atributo for favorável deve-se introduzir em destaque um dos cinco elementos que dinamize essa influência.

Sempre que formos inserir um elemento em um ambiente devemos ter bom senso e sempre considerar a personalidade, a cultura do morador e o uso do ambiente. Por exemplo, uma sala de jantar que precisa do elemento fogo, podemos sugerir a pintura de uma parede em tons de vermelho vivo, além da utilização de artigos de decoração pessoais que tragam a informação do fogo. Porém se o mesmo fosse necessário em um dormitório, deveríamos ter cautela na inserção do elemento fogo, que nesse caso poderia ser apenas um quadro que o morador goste, com detalhes marcantes em vermelho.

Assim como se precisarmos da inserção do elemento água em um escritório de publicidade, que necessita da criatividade aguçada, não indicaríamos o excesso da cor azul claro nas paredes e mobílias, mas sim a colocação de, por exemplo, um objeto significativo na cor azul ou uma fonte que se possa ver e ouvir o barulho da água.

Contudo, o Feng-Shui Tradicional é uma prática que pretende colocar o ser humano, com sua personalidade e características especifica, em harmonia, ou seja, em contato direto e em equilíbrio com os ciclos e fluxos naturais de um determinado espaço. Sempre considerando esses espaços como instrumentos promotores da saúde integral dos seres e do planeta.