Posts

BIO SANITÁRIO COMPOSTÁVEL A SECO – BIO’S

BiosanitárioCONTEXTUALIZAÇÃO / HISTÓRICO

A saúde e a manutenção da qualidade de vida nos ecossistemas da terra dependem do funcionamento sustentável dos organismos que nela habitam. Incluindo as edificações, que como os seres vivos, possuem suas funções excretoras com geração de esgotos e dejetos, que podem ser substituídas por produção de húmus e alimento, através da consciência ecológica e do uso de técnicas como o Sanitário Compostável.

Para dar destino ao esgoto negro (aquele que contem fezes) o melhor a se fazer é ter um Sanitário Compostável, ou também chamado de banheiro seco, no qual não utilizamos água para dar descarga e sim matéria orgânica (serragem, folha secas ou terra).

Além de não necessitar de aguá para a descarga, não depende de rede de esgosto e altos custos com tubulações, caixas de passagens e com estações de tratamenos de esgoto centralizadas. E o mais importante permite transformar em adubo, para ser usado no pomar e no jardim, os desejos que virariam esgoto negro e contaminantes de mananciais, lençóis freáticos de água, rios e mares.

No Sanitário compostável, os dejetos juntamente com papel higiênico usado e a matéria orgânica que se joga no “vaso” depois do uso, passam por um processo de compostagem controlada com temperaturas de ate 70 graus, para eliminar os agentes patogênicos do material e transformar os dejetos em ricos compostos orgânicos, utilizados em arvores, jardins e no minhocário para gerar húmus agrícola.

O uso desses sanitários é bastante antigo, com mais de cem anos de vida ganhou força a partir da década de 60, atualmente fora do Brasil são comercializados sanitários compostáveis compactos, que podem ser instalados até mesmo dentro de nossos banheiros urbanos convencionais.

As câmaras de compostagem desses sanitários devem ser projetadas, construídas e usadas para permitir a perfeita compostagem do material, assim o processo biológico natural de decomposição aeróbica (com a presença de O2) é

otimizado, todos os agentes patogênicos são mortos, e um sistema de ventilação e convecção elimina em 100% o mau cheiro.

VANTAGENS DO USO DO BIO’S

Além de benefícios claros ligados a preservação do meio ambiente, o uso do sanitário compostável traz inúmeras vantagens para as pessoas, famílias e comunidades.

Veja dez motivos para usar o BIO’ Sanitário compostável.

1- Economiza água – uma descarga consome em média 15 litros de água, 30% a 40% do consumo de água de uma pessoa é perdido nas descargas convencionais.

2- Não polui e nem contamina o solo, os rios, as águas subterrâneas e os oceanos.

3- Gera composto rico em nutrientes para o solo e para as plantas, que pode ser usado como fertilizante para jardins, pomares e árvores frutíferas. (evita-se o uso dos compostos do BIO’S diretamente em hortaliças, a não ser que sejam devidamente monitorados)

4- Independência em relação ao sistema de saneamento básico: não necessitando de tratamento e fornecimento de água; e nem de coleta e tratamento do esgoto

5- Não gera nenhum mau cheiro se bem construído e utilizado.

6- Mais higiênico do que as fossas negras secas convencionais (buraco cavado no chão onde não se acrescenta matéria orgânica depois do uso, nesse sistema de sanitário as fezes não entram em compostagem e sim em putrefação e fermentação anaeróbica (sem a presença de oxigênio), o que gera muito mau cheiro e gases tóxicos e inflamáveis)

7- Recicla os dejetos humanos, restos de comida, podas de grama, folhas rasteladas, aparas de verduras e legumes, e quase todos os lixos orgânicos de uma casa.

8- Evita ou reduz o uso de agrotóxicos, principalmente fungicidas, pois com uso de composto do BIO’S as plantas ficam mais fortes e resistentes as pragas.

9- Evita o lixo gerado com o papel higiênico sujo, no BIO’S ele pode ser jogado no vaso para a compostagem.

10- Os custos de instalação e manutenção são mais baratos que os custos com banheiros convencionais que necessitam de rede de água e de esgoto. E pode ser instalado em locais onde as fossas não podem ser cavadas por o terreno não permitir ou o lençol de água ser pouco profundo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAMPBELL, S. Manual de Compostagem para Hortas e Jardins. 1995.

BUENO, Mariano. Como hacer um buen compost. 2003.

LENGEN, V. Johan. Manual do arquiteto descalço. 2004

SÁNCHEZ, Cristian. Abonos orgânicos e lombricultura. 2003

JENKINS, Joseph. The humanure hand book, A Guide to Composting Human Manure.1999.

PORTO, D. David. STEINFELD, Carol. The Composting Toilet System Book. 2000.