O MERCADO DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL É PROMISSOR

Construção SustentávelA ideia, ao trabalhar com material de baixo impacto, é proporcionar arquitetura viva, também conhecida como bioconstrução ou bioarquitetura. A moradia deve proporcionar saúde e sustentabilidade ambiental para o habitante e para o ambiente.

O mercado é promissor e abre vários caminhos, independentemente de modismos. É bom para a Terra e para o ser vivo. Sinaliza para mudança no processo construtivo, conforme analisa o arquiteto e geobiólogo Flávio Duarte. “Você observa hoje grandes indústrias certificadas no sistema de gestão ambiental. Há grande preocupação com essa questão, para garantir processos menos danosos. É bom para todos. Vale a pena entrar nesse viés”, afirma.

Segundo Flávio, a bioconstrução ou bioarquitetura vai atrás de material in loco, material fornecido pelo próprio terreno ou suas imediações. “O construtor aproveita o barro, a tabatinga, pede ao vizinho um esterco de boi e, juntando tudo, acaba saindo barato. Mas na cidade tem jeito? Tem, mas o barato ou caro depende da disponibilidade de tempo do empreendedor e de material. A mão de obra se perdeu e precisa ser treinada. As pessoas sábias nesse setor já estão envelhecidas e não dão muito conta do batente. Ao ver um tijolo convencional, de dois quilos, e um de adobe, de 7 quilos, um garoto aprendiz vai querer fazer o mais leve. A situação de imediatismo compromete a saúde e a preservação ambiental. Hoje, há dificuldade de encontrar adobe e, quase sempre, quando se opta por esse material, é preciso fazer o tijolo.”

INSUMO

“O material tradicional – adobe, pau a pique e tinta de caiação – ainda está em níveis de aproximação da natureza. Nas áreas rurais, as pessoas tinham isso em mãos. Não havia processamento e o impacto ao meio ambiente e para a pessoa era infinitamente inferior ao que é hoje. Nas técnicas modernas e atuais, basta consultar um catálogo de tintas e escolher a cor”, conta o geobiólogo. Segundo ele, o cliente encontra um produto totalmente processado, que precisa de insumo para ser fabricado industrialmente. Quase ninguém utiliza a tabatinga para corar. Usa-se o titânio ou o cobalto para o tom alaranjado. São metais pesados. A diluição da tinta, em vez de água, é feita com solvente, composto volátil orgânico com forte cheiro de verniz, que incomoda e é altamente tóxico.

Flávio garante que o sistema é viável em qualquer frente, inclusive em moradias populares. “Prestei consultoria a uma empresa com o primeiro projeto de casas populares com conceito de sustentabilidade. O projeto prevê captação de água da chuva, reutilizada em vaso sanitário com duas válvulas, para líquido e para sólido. Tem um teto vivo que é um pouco térmico e acústico.” Mas é uma mudança de comportamento em que o usuário precisa ser treinado para cuidar da manutenção desses novos elementos. “Mas é um projeto passível de ser produzido em escala industrial”, diz.

Reportagem publicada no Jornal Estado de Minas do dia 18/08/2010 com fragmentos de entrevista feita por Elian Guimarães com Flávio Duarte, arquiteto, bioconstrutor, fundador e diretor executivo da BIOhabitate – Saúde Ambiental e Arquitetura Viva.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta